Publicidade
NOTÍCIAS

Givaldo Alves cobrou para atuar em sequestro

Conhecido como o morador de rua que foi espancado após manter relações sexuais com uma mulher casada no Distrito Federal, Givaldo Alves participou do sequestro de uma pessoa em 2004, em São Paulo.

De acordo com informações do portal Metrópoles, o rapaz foi preso no dia 1º de julho daquele ano, quando foi flagrado recolhendo o resgate de R$ 3 mil em uma lixeira na Praça do Forró.

Givaldo confessou participação no crime em depoimento e levou os policiais à casa onde a vítima era mantida refém, mas ela já havia sido liberada.

Ainda aos agentes, o suspeito disse que havia sido chamado por dois homens para participar do sequestro recolhendo o resgate. Para isso, receberia R$ 500.

A defesa de Givaldo chegou a levantar a tese de que o rapaz estava apenas jogando um papel na lixeira, e não pegando o resgate, mas o juiz responsável pelo caso refutou a possibilidade.

O acusado foi condenado a 15 anos de prisão em regime fechado, mais dois por maus antecedentes e reincidência, mas foi liberado no dia 18 de abril de 2013 após revisão criminal da pena.

O crime

A mulher de 33 anos deixava a própria residência ao lado do marido, 34, e do filho bebê quando foi abordada pelos criminosos no dia 29 de junho daquele ano. O grupo levou a família para dentro da própria casa e recolheu seus pertences de valor.

A vítima foi levada para um cativeiro, enquanto o marido e o bebê foram abandonados amarrados na residência. Não se sabe se Givaldo estava neste grupo que realizou o sequestro.

Inicialmente, os criminosos exigiram R$ 300 mil de resgate, mas, após negociações, o valor caiu para R$ 3 mil. A família aceitou pagar o valor, mas acionou a polícia, que armou emboscada e prendeu Givaldo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo